Make your own free website on Tripod.com

Biocol

Pele sintética

Relatório da aprovação clínica das películas "Biocol" no tratamento de úlceras avançadas provocadas por radiolesão.

Alguns doentes oncológicos, submetidos à terapia de radiação ou ao tratamento combinado de tumores malignos, sofrem de radiolesões locais o que torna atual a busca de métodos de tratamento próprios para tais casos. O tratamento não cirúrgico de úlceras avançadas da pele revelou-se, até o presente momento, pouco eficiente (M.S. Bardichev, 1976, 1985), fato provocado primeiramente pelas particularidades patogênicas das radiolesões avançadas, entre as quais pode-se destacar em particular a coibição de processos de reparação e violação da microcirculação na zona submetida à radiação (A.K. Guskova e co-autores, 1975; I.S. Amossov e co-autores, 1983; Rubin e co-autores, 1968). O tratamento não cirúrgico de úlceras avançadas causadas pela radiolesão nem sempre corresponde às particularidades patogênicas. Esta é a razão de seus frequentes fracassos.

Ultimamente, o departamento de tratamento cirúrgico e não cirúrgico de lesões causadas pela radiação do Instituto de Pesquisas Científicas de Medicina Radiológica da Academia de Ciências Médicas da Rússia elaborou vários métodos eficientes de tratamento de radiolesões cutâneas (aplicação local de diversas concentrações de dimexida, unguento "Sintozon", raios laser, etc.) sob a direção do prof. M.S. Bardichev. Entretanto,  prossegue a procura de novos métodos e remédios.

Conforme o Acordo de colaboração científica entre o Instituto de Biofísica Teórica e Experimental e o Instituto de Radiologia Médica, durante o período de setembro/1990 a novembro/1991, foram realizadas, no departamento de tratamento cirúrgico e não cirúrgico de radiolesões, pesquisas científicas de estudo da eficiência terapêutica das películas "Biocol" nos casos de úlceras da pele e de tecidos subjacentes. Esta película foi desenvolvida no laboratório de crescimento de células e de tecidos sob a supervisão do doutor em Ciências Médicas B.K. Gavriliuk.

O uso clínico desta película foi autorizado após a sua aprovação no processo de tratamento de lesões térmicas dos pacientes sobreviventes do desastre ferroviário no sul dos montes Urais em 1989. A composição da película inclui o colágeno epidêrmico de gado bovino ou suíno, extratos medicinais do caucho e polissacarídeos. O fabricante da película é a empresa "Biocol".

O presente estudo tinha por objetivo estudar as propriedades medicinais das películas Biocol no tratamento de úlceras cutâneas causadas por radiolesão, e das úlceras dos tecidos subjacentes. A esta pesquisa foram submetidos 25 doentes (7 homens e 18 mulheres) com úlceras de radiolesão de diversos tamanhos e situada em diversas partes do corpo. Um grupo de 45 doentes, tratados de acordo com os métodos elaborados anteriormente, serviu na qualidade de grupo de controle. N processo de tratamento de úlceras de radiolesão avançadas forma utilizadas películas Biocol de dois tipos: 1) com números pares para o tratamento de úlceras cobertas com uma camada de pus necrótico e nos casos de exsudação intensa e 2) películas com números ímpares nos casos em que as úlceras já estavam livres da camada de pus necrótico e já tinham aparecido granulações puras. A película cobri toda a superfície da úlcera, por cima dela punha-se uma gaze de curativo seco, fixado com ajuda de ligadura ou esparadrapo. O tratamento foi feito durante 30 ± 7 dias. O curativo era feito todos os dias. Um dia depois de retirada da película foi constatada a lise da crosta e da camada de pus necrótico, o que melhorava a purificação mecânica das úlceras. À medida que as úlceras se purificavam e surgiram granulações, começava o processo de surgimento do epitélio marginal.

Para avaliar a eficácia de aplicação das películas Biocol foram utilizados métodos elaborados anteriormente: 1) cálculo da velocidade de cicatrização (VC); 2) dinamismo da microflora na úlcera depois de certos intervalos, o seu caráter e patogenia.; 3) impressões das feridas; 4) análises do sangue do paciente, etc.

O cálculo da velocidade de cicatrização (VC) de úlceras de radiolesão (em porcentagem) foi feito na base da fórmula de L.P. Popov (1942)

                                           (S - St)

                        VC = --------------------- 100

                                                St

sendo

VC - velocidade de cicatrização;

St -- área da úlcera de radiolesão (em cm2) no dia da medição;

S - área da úlcera de radiolesão (em cm2) antes do início do tratamento;

t = tempo (dias) desde o início do tratamento.

Os doentes com úlceras de radiolesão avançadas foram divididas em dois grupos: 1) úlcera profundas e amplas, de mais de 100 cm2 e 2) úlceras superficiais, relativamente pequenas, com superfície de menos de 50 cm2. Esta divisão em dois grupos (respectivamente 9 e 16 pacientes) tinha como base o seguinte: úlcera amplas profundas não se cicatrizavam na íntegra e na superfície limpa foi transplantada a pele do próprio paciente (método de Davis); no segundo grupo a aplicação da película Biocol resultou na cicatrização total da úlceras de radiolesão da maioria dos doentes (24 pacientes ou 79,1%), o que é confirmado também pelo dinamismo da VC (ver Tabela 1.)

Tabela 1.

Dinamismo de cicatrização total nos casos de tratamento com a película Biocol

 

Grupos observados

Velocidade de cicatrização

 

7° dia

14° dia

21° dia

30° dia

Grupos tratados com Biocol

Grupo de controle 

Fidedignidade das diferenças

3,2 ± 0,23

3,1 ± 0,53

< 0,25

4,3 ± 0,35

2,6 ± 0,12

< 0,05

4,1 ± 0,28

2,4 ± 0,22

< 0,01

3,8 ± 0,24

2,1 ± 0,25

< 0,01

No grupo de pacientes com grandes radiolesões (primeiro grupo) não se conseguiu a cicatrização total devido à grande área e profundidade da úlcera, embora o surgimento do epitélio marginal tivesse lugar também neste grupo. Em alguns casos, o epitélio cobriu quase a metade da área da ulcera (6 pacientes, 25%), ver Tabela 2.

 

Tabela 2.

Velocidade de cicatrização de úlceras de radiolesão avançadas (%%) no grupo tratado com a película Biocol e no grupo de controle 14 e 30 dias depois do início do tratamento

 

 

Resultado do tratamento

 

Grupos de pacientes e dias de observação

Fidedignidade das diferenças

 

Grupo com Biocol

Grupo de controle

P

 

14° dia

30° dia

14° ia

30° dia

 

Cicatrização total

 Cicatrização da metade da área

 

Fidedignidade de diferenças

4,3 ± 0,35

 

2,6 ± 0,32

 

< 0,05

3,8 ± 0,24

 

2,1± 0,41

 

<0,01

2,6± 0,12

 

2,5± 0,28

 

< 0,5

2,1± 0,25

 

1,6± 0,26

 

<0,25

< 0,01

 

< 0,25

 

N.A. Pecher - secretário de ciências do Instituto, doutorando em ciências médicas

------------------------------------------

Retornar ao Menu